Uma reflexão sobre as Políticas das Agências Internacionais

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Uma reflexão sobre as Políticas das Agências Internacionais

Mensagem  luiztropical em Qui 26 Jun 2008, 12:13

Em 1990, em Jomtiem (Tailândia) ocorreu a conferência mundial de educação para todos, quando as agências internacionais como Unesco, Unicef, Pndu e Banco Mundial traçaram metas para compensar os prejuízos causados pelas políticas “socialistas” praticas pelos governos do mundo inteiro, em especial aos países que apresentaram maior taxa de analfabetismo do mundo, como o Brasil que estava na lista dos 9 paises com índices alarmantes de 100 milhões de crianças fora da escola e 900 milhões de adultos analfabetos. Uma estatística lamentável e triste para um país, como o Brasil, que poderia ser referência no mundo inteiro no campo educacional face aos grandes pensadores que marcaram nossa história. Vemos que nesta conferência a preocupação de assegurar uma “educação de qualidade para todos” levou a criação do Plano decenal de Educação para todos (1993-2003), que tinha como alvo as crianças, jovens e adultos com o “mínimo” de aprendizagem que atendessem as necessidades básicas, ou seja, nada de avanço, poucas possibilidades de conquistas, apenas o mínimo de sobrevivência. Embora o plano reconhece as diferenças culturais, como é o caso do atendimento aos indígenas, é falho quando não fala em nenhum momento da raça/etnia, e no nosso caso específico a mistura de raças e etnias é muito grande. Das inúmeras estratégicas estabelecidas destaco um ponto interessante deste plano - o alvo não era somente a educação básica, mas também outras instâncias como a família, dando prioridade às meninas e mulheres, levando assim a um processo de libertação em relação a discriminação e falta de oportunidade. Outro ponto que vale a pena ressaltar é a atenção aos portadores de necessidades especiais, que a partir daí este assunto passa a estar em pauta na sociedade contemporânea, refletindo até os dias atuais. É bem verdade que o plano não visa somente o bem estar das pessoas, das crianças, dos jovens, o interesse financeiro e político, principalmente do Banco Mundial é muito claro. Por outro lado, a atuação ativa dos governos, a manipulação, a limitação da educação também é nítida. Até que ponto foi válido a implementação deste plano? Os resultados encontrados valeram a pena? De fato a educação atingiu a todos? Uma reflexão que poderá mudar muitas concepções em relação às metas traças por estas agências internacionais.
avatar
luiztropical

Número de Mensagens : 7
Membro : Luiz Carlos da Silva
Data de inscrição : 24/05/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

POLÍTICA EDUCACIONAL

Mensagem  paulohtfranco em Qui 26 Jun 2008, 14:22

Prezados:
Muitos desafios são colocados a todos, mas no que tange aos desafios da política educacional temos que ser muitos cautelosos, pois a área educativa é um dos principais pilares para o desenvolvimento. O crescimento pode ocorrer independente da educação, mas neste caso ocorre o que vemos pelo mundo (guerra,fome,desnutrição,racismo,etc..) negativamente, mas quando nos deparamos com o desenvolvimento (entendimento,abundância,nutrição,respeito, etc...) positivamente. Portanto, se ouvimos constantemente sobre falta de alimentos, água,etc.... é porque estamos vivendo crescimento da humanidade, mas com pouco desenvolvimento...
Sim, houve melhoria na assistência, acesso e melhoria, redução do analfabetismo, ampliação dos serviços de educação básica, e também crescimento em outras áreas em decorrência nestas necessidades,mas o momento em que vivemos temos que rever o significa: necessidade atuais e novamente verificar, se estamos no caminho certo.

Se conseguirmos colocar todos no ensino básico, conseguimos uma meta definida (crescimento).
Mas se considerarmos que este ensino não é suficiente para formar cidadão para refletir sobre a sua existência e não conseguir fazer dele respeitar nem mesmo seus próprios colegas, estaremos facilitando a agressividade e a violência, portanto não teremos nenhum desenvolvimento, neste caso correndo riscos de atrapalhar uma parte das crianças/jovens/adultos que tem seu interesse para conseguir seu desenvolvimento.

Os futuros acordos deveriam relacionar-se crescimento com desenvolvimento.

Paulo Herminson Thiene Franco
avatar
paulohtfranco

Número de Mensagens : 15
Membro : Paulo Heminson Thiene Franco
Data de inscrição : 24/05/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Resposta ao tópico do Professor Luiz Carlos da Silva

Mensagem  escriastral em Qui 26 Jun 2008, 14:36

Professor Luiz, quando você faz a pergunta se a educação atingiu a todos?

Eu, Professor Carlos Roberto da Silva, acredito que estamos trabalhando para isso. Nosso trabalho como docente terá que atingir a todos os que nos procuram e querem estudar, o difícil e atingir aqueles que não querem estudar, ou melhor, não querem nada com nada, mesmo quando são questionados e oferecido oportunidades para mudança de vida, tanto com estudo e até mesmo com trabalho, ficam achando argumentos para não assumirem compromissos e muitas vezes não aceitam mudanças. Caro colega, temos que fazer o nosso trabalho na base, com as crianças em idade inicial na educação, incentivando e mostrando para as crianças que o futuro do Brasil depende delas e que com educação e conhecimento elas poderão transformar o Brasil em um país livre do analfabetismo e assim veremos que os resultados alcançados valerão a pena. E quero ver este resultado acontecer.

escriastral

Número de Mensagens : 4
Membro : Carlos Roberto da Silva
Data de inscrição : 24/05/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Uma reflexão sobre as Políticas das Agências Internacionais

Mensagem  Mary em Qui 26 Jun 2008, 20:05

paulohtfranco escreveu:Prezados:
Muitos desafios são colocados a todos, mas no que tange aos desafios da política educacional temos que ser muitos cautelosos, pois a área educativa é um dos principais pilares para o desenvolvimento. O crescimento pode ocorrer independente da educação, mas neste caso ocorre o que vemos pelo mundo (guerra,fome,desnutrição,racismo,etc..) negativamente, mas quando nos deparamos com o desenvolvimento (entendimento,abundância,nutrição,respeito, etc...) positivamente. Portanto, se ouvimos constantemente sobre falta de alimentos, água,etc.... é porque estamos vivendo crescimento da humanidade, mas com pouco desenvolvimento...
Sim, houve melhoria na assistência, acesso e melhoria, redução do analfabetismo, ampliação dos serviços de educação básica, e também crescimento em outras áreas em decorrência nestas necessidades,mas o momento em que vivemos temos que rever o significa: necessidade atuais e novamente verificar, se estamos no caminho certo.

Se conseguirmos colocar todos no ensino básico, conseguimos uma meta definida (crescimento).
Mas se considerarmos que este ensino não é suficiente para formar cidadão para refletir sobre a sua existência e não conseguir fazer dele respeitar nem mesmo seus próprios colegas, estaremos facilitando a agressividade e a violência, portanto não teremos nenhum desenvolvimento, neste caso correndo riscos de atrapalhar uma parte das crianças/jovens/adultos que tem seu interesse para conseguir seu desenvolvimento.

Os futuros acordos deveriam relacionar-se crescimento com desenvolvimento.

Paulo Herminson Thiene Franco

Caro Paulo, concordo inteiramente com você, pois apesar da melhoria evidente é preciso crescer muito ainda como pessoas, valorizar os recursos e criar alternativas

Maria das Dores de Souza Coiado
avatar
Mary

Número de Mensagens : 5
Localização : Umuarma/Pr
Membro : Maria das D. de Souza Coiado
Data de inscrição : 26/05/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Políticas das Agências Internacionais

Mensagem  Fernando Cézar em Sex 27 Jun 2008, 21:35

As Políticas das Agências Internacionais, começando por Jomtien foi um estudo realmente necessário, afinal era preciso colocar a educação no centro das atenções, afinal sem educação nenhuma não progride, ou como foi sitado pelas agências internacionais não se cega a PAZ, mas acho que o problema começou quando o Banco Mundial começou a olhar a educação em outros países com forma de dominação usando dinheiro emprestado, com a mensagem de ajuda, que mais parecia o contrário, pois no final das contas o que se tem é uma forma de como diminuir a natalidade dando maior "prioridade as mulheres e maninas", com o ensino básico, e não podendo esquecer é claro da diminuição da probreza, só não se sabe que "pobreza" financeira ou de espírito Rolling Eyes
Mas penso eu que se for tirado as partes "ruins e de interesse" das propostas das agências internacionais com certeza teremos uma Carta que a Edcação de Qualidade ira aparecer, e não estatísticas com pequenas taxas para bancos admirarem.
avatar
Fernando Cézar

Número de Mensagens : 8
Idade : 42
Membro : Fernando Cézar de Oliveira
Data de inscrição : 24/05/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Uma reflexão sobre as Políticas das Agências Internacionais

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum